Conheça o gênio por trás do sucesso de Justin Bieber!

 
Screen Shot 2018-08-08 at 14.48.43.png
 
 

Hey

Hoje vou falar sobre O CARA por trás do sucesso de Justin Bieber e sua estratégia BRILHANTE para transformar um menino de 12 anos em um dos maiores astros do planeta. 

Esse gênio se chama Scooter Braun! 

 
 

A grande maravilha de rodar as grandes convenções internacionais do nosso mercado, é ter acesso a esses caras e ouvir suas histórias. Muito enriquecedor! 

Como essas viagens acabam sendo muito corridas e cheias de informação me esqueci completamente de escrever sobre o dia que vi esse cara falar ali bem na minha frente. Muita coisa se perde dentro do nosso HD, mas como também sou viciado em livros sobre o mesmo assunto, graças à Deus, esse case apareceu de novo para mim no livro de Robert Kyncl. 

Aliás, aconselho a todos que lêem em Inglês que comprem o livro Streampunks! 

By the way

Se a compra for feita através desse link você estará contribuindo para o blog

 
Screen Shot 2018-08-08 at 14.58.15.png
 
Eu vim falar sobre como o Youtube pode mudar a vida das pessoas e como isso está mudando o mundo. Aí eu realizei que essa é a minha vida. Eu sou um exemplo vivo de como esse serviço pode mudar também a sua vida.
— Scooter Braun, Livro Streampunks

O INÍCIO

Em 2007, após perceber que cada vez mais a TV perdia espaço para o Youtube, Scooter teve um insight:

"As pessoas querem consumir conteúdo de uma maneira mais íntima. Televisão é diferente. Você senta no sofá, pessoas passam e milhares de pessoas estão assistindo o mesmo que você ao mesmo tempo. No Youtube é você no comando do seu próprio tempo, com o seu smartphone ou seu computador. Se meu pai descobria música em lojas de discos e comprava discos esse é o NOVO VINIL".

 

Foi nessa mesma época que, dando um confere no Youtube, ele descobriu um tal garoto de 12 anos em um programa de talentos no Canadá. Ele ficou louco e começou a pesquisar para achar o contato do moleque. 

Após achar a mãe de Justin e convence-la a encontra-lo em Atlanta, Scooter assinou o primeiro contrato que o futuro astro assinaria na vida.

Com a parte contratual resolvida, o empresário começou a criar a estratégia de lançamento do moleque no Youtube.

 
 
 

YOUTUBE | O PLANO  

Foram 18 meses intensos de trabalho. A idéia era ter uma presença ANIMAL dentro da plataforma, com conteúdos entrando a todo momento. Eram vídeos de covers que variavam entre 30 segundos e 03 minutos com Justin em sua casa cantando, tocando violão e por vezes tocando bateria.

Mas uma regra era seguida em todos os vídeos: Nunca olhar para a câmera e dizer, "Meu nome é Justin Bieber e agora eu vou tocar...".

 

O objetivo era dar a sensação para quem assistia de que tinha descoberto algo que não era para eles terem descoberto. Quase algo não permitido, voyer... 

Os vídeos começaram a ter alguma atenção do público mas nenhum deles naquele momento teve o impacto que Scooter esperava.

Dê uma olhada em alguns desses vídeos:

 

 
 
 
 

O PRIMEIRO VÍDEO VIRAL

Eles foram filmando, vídeo após vídeo, até que no décimo sexto a coisa explodiu.

O cover de "With You" de Chris Brown foi uma explosão quase instantânea que fez o vídeo bater os sete dígitos muito rápido. Centenas de milhares de adolescentes do mundo inteiro assistiam o vídeo em loop fazendo a música voar alto, e também bombando todos os outros vídeos do canal. 

 
 
Nós éramos o Netflix. Demos aos fãs que foram chegando por conta de um vídeo a temporada inteira. Tínhamos um catálogo para eles assistirem sem parar e é isso que as pessoas querem.
— Scooter Braun

GRAVADORAS

Quando os vídeos passaram de 60 milhões de vizualizações, Scooter resolveu dar o segundo passo e levar o seu artista para as gravadoras.

Logicamente todos acharam que ele estava louco!

O argumento dos caras era que Youtubers não eram artistas de verdade e nem poderiam virar. A segunda tese era que artistas do Youtube não conseguiam transformar os tais views em MONEY|DINDIN. 

Mesmo com o empresário argumentando que já existia uma audiência voraz louca pelo moleque, os gênios do nosso mercado foram taxativos em dizer NÃO. Conhecedor do mercado e de como essa gente funciona, ele seguiu em frente.

Até o  tido gênio do mercado, Clive Davis, disse que não checava o Youtube para buscar talentos e pediu um DVD.

Estamos falando de 10 anos atrás!!!!! Para você ver como gravadoras são lentas em perceber mudanças... 

 

PERSEVERANÇA

Sua convicção de que estava no caminho certo e sua insistência em convencer os caras chegou ao ponto em que ele foi aconselhado por amigos da indústria a desistir. Pior, diziam que ele estava destruindo sua carreira na indústria fonográfica. Indignado que os cegos do castelo não conseguiam ver o que ele estava vendo, resolveu pedir ajuda ao seu amigo Usher, que de cara lhe garantiu um contrato na Island Def Music Group. O CEO da empresa tinha interesse em assinar Usher quando seu contrato terminasse e pegou o moleque só para agradar o cara. 

Esse garoto não vai acontecer
— Reid, Chairman e CEO da Island Def Music Group
A mentalidade das gravadoras em relação ao Youtube só mudou com a morte do Michael Jackson
— Scooter Braun

SHIFT NA PERCEPÇÃO DO MERCADO

No dia em que o Rei do Pop morreu o top chart do iTunes era praticamente de Michael, com a excessão de dois vídeos.

Taylor Swift, com um dos seus maiores sucessos em quarto lugar, e um garoto que nunca ninguém tinha escutado falar em sétimo com o vídeo "The One".

Esse garoto se chamava Justin Bieber.

O primeiro clipe do artista foi feito com uma verba miserável para os padrões da época porque a gravadora realmente achava que aqui não daria em nada.

Tem que rir, né? 

Quando o clip foi anunciado no canal do artista, a procura no Itunes por Justin Bieber FOI ANIMAL e Scooter foi encontrar Reid para explicar o que estava acontecendo. O cara disse o seguinte, "Eu não sei marketing; Eu entendo de música. Continue fazendo WHATEVER THE FUCK YOU ARE DOING."

HAHAHHAHAHAHHAHAHAHHAHAHAHHAHAHHAHAHHAAHHAHAHAHHA

Muito à frente do que o mercado fazia na época, Scooter fez versões acústicas de todas as músicas do futuro álbum no Youtube para aquecer os fãs e gerar demanda pelo CD e por ingressos. Quando o primeiro single de fato saiu foi parar diretamente na lista dos mais vendidos e os fãs já sabiam cantar todas as músicas. Quando ele viu que o sucesso era muito além dos Estados Unidos, Scooter pediu a gravadora que os mandassem para Inglaterra pois os dados mostravam claramente que existia demanda por lá. Mais uma vez teve seu pedido negado. O argumento era que ninguém poderia conhecer o artista já que a música ainda não tinha tocado nas rádios por lá. Sabendo exatamente o que estava fazendo, Scooter anunciou no Twitter que Justin faria um show na frente da Universal Music de lá e tirou dinheiro do próprio bolso para pagar os custos da viagem.

Olha o que aconteceu: 

 
 
Não eram só as músicas que atraiam as pessoas para Justin. Tinha toda uma história por trás. Estávamos em recessão e quando ligávamos a televisão o único show para crianças era The Hills. Isso é não realístico. Um monte de crianças de Laguna Beach mostrando seus carros, suas mansões enquanto seu pai e sua mãe estão perdendo seus empregos?? Eu tinha que a eles uma história sobre esperança. Eu tinha que dar a eles uma linda história sobre esse menino que a mãe o tinha tido quando muito jovem. Um menino que colocou um vídeo no Youtube nunca imaginando que um dia pudesse sair da sua cidade. E agora ele está vivendo esse sonho. Você também pode!
— Scooter Braun, para o livro Streampunks

O QUE ROLOU DAÍ POR DIANTE TODOS NÓS SABEMOS... 

 

DEMOTRATIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO

Vale lembrar que antes de Justin Bieber era praticamente impossível um artista chegar ao mainstream sem antes assinar com uma gravadora.

Sem sua música tocar nas rádios não tinham como atingir o sucesso e viver da sua arte dignamente. Como gravar disco era MUITO MUITO CARO e rádio sempre foi a base de MUITO MUITO JABÁ, artistas viviam batendo na porta das gravadoras.

É por isso que quando vejo artistas reclamando do Youtube eu fico maluco.

Eu tenho 44 anos, tentei ser artista até por volta dos meus 27 e sei na pele o que era essa época. Malditos anos 90!

Meia dúzia de cretinos arrogantes decidiam se algo era "bom" ou "ruim" por critérios para lá de preconceituosos. Homens em sua maioria brancos, que por algum motivo estavam ali, arbitravam o que um país inteiro iria escutar em um determinado ano. Se eles por ventura achassem que você não "era bom", nunca mais você teria uma chance.

Eram executivos que deixavam artistas esperando em recepções por horas e só escutavam de fato algo que fosse apresentado por alguém de confiança. Só no Rio de Janeiro vi esses babacas fazerem muita gente talentosa desistir. Também vi rasgarem muito dinheiro em muita coisa que juravam ser geniais. Como um grande sucesso pagava a conta de um monte de merdas que eles faziam era um jogo bem fácil de se ganhar. No fim sempre dava lucro anyway.

Um dos poucos artistas que vi virar esse jogo é meu grande amigo Jorge Vercillo. As gravadoras ignoravam o cara, seus discos não tinham nenhuma promoção mas ele na raça e no talento esfregou seu sucesso na cara de muita gente. Lembro de um Canecão lotado com geral cantando as músicas do cara e pensei WHAT THE FUCK... Quem são esses merdas que decidem que um artista que lota um lugar desses não tem o direito de fazer sucesso. 

Ahhh!!

Só para não ser injusto tiro dessa lista GRANDES CARAS como Sergio Carvalho, Paulo Junqueiro, Renato Ladeira e Mauro Escalabrin. 

Me desculpem pelo desabafo! 

Espero que tenham gostado. 

Beijos!  

 

 

 

ME SIGA NO INSTAGRAM

Gallery Block
This is an example. To display your Instagram posts, double-click here to add an account or select an existing connected account. Learn more