O poder dos influenciadores no mercado da música

 
 
 
 

Hey!

Hoje vou fala sobre Influenciadores e Micro-Influenciadores e sua influência no mercado musical. 

Tenho lido bastante sobre o assunto e no fim do mês passado durante a convenção Music Ally’s Sandbox Summit, em NY, assisti um painel muito bacana sobre o tema. 

Sem encher muito o saco de vocês vou apenas enumerar algum pontos que achei muito interessante para a gente poder refletir e trocar uma idéia por aqui. 

 
 
25/4/2018, NY     

25/4/2018, NY

 

 
 

1- MENSURAÇÃO DE RESULTADOS  

a) Segundo Cyndy James, VP da área de estratégias de streaming e playlists, é muito mais fácil mensurar o impacto desses influenciadores em campanhas com artistas que estejam bem no início da carreira. 

b) Com artistas com uma grande audiência fica praticamente impossível saber exatamente quais esforços geraram de fato o melhor resultado.

 

2- CREDIBILIDADE

a) Cada vez é mais necessário existir fit entre o influenciador e o artista para que a campanha realmente funcione.

b) Consumidores estão cada vez mais atentos e avessos a qualquer tipo de propaganda no processo de escolha do que escutar. 

 

3- NICHOS

a) Micro influenciadores de nichos específicos, apesar de falarem para um espectro muito menor, tem muito mais credibilidade junto aos seus seguidores. 

b) Busque realmente engajar tribos em torno de uma cultura que faça realmente sentido para ambas as partes. Win-Win!

c) Se voltou a falar sobre a importância dos DJ's na construção de audiências para novos artistas e a força das pistas de dança com a chegada do aplicativo de reconhecimento de música Shazam. Se uma música toca e as pessoas não conseguem acha-la no aplicativo, são grandes as chances das pessoas irem perguntar ao DJ que som era aquele. Isso aumenta o valor daquele DJ como um influenciador naquele ambiente específico.  

Quando a gente ativa os influenciadores antes do conteúdo ir para o digital nós damos para artistas e DJ’s e pedimos para não vazar. Você tem que ter certeza que o timing da ação é perfeita. Nós focamos no timing perfeito para cada influenciador. Isso não pode parecer propaganda. É como contratar um grande amigo que tenha muitos amigos. Campanhas criadas dessa forma tem muito mais força que qualquer outra celebridade teria.



— Genious, DJ e empresário

Money talks ?

Orçamento, sempre raro em terras tupiniquins, foi um tópico. 

 

4- ORÇAMENTO

a) Cifras entre 500.000 e 1.000.000 de dólares foram citadas em média para campanhas realmente abrangentes.

b) Influenciadores hoje são vistos como grandes empreendedores e muitas vezes podem enxergar possibilidades reais de lucro com parcerias à longo prazo. 

c) Causas específicas podem trazer pro mesmo barco artistas e influenciadores sem necessariamente existir troca monetária ne relação. 

 

* Em um momento bem descontraído do painel, a belíssima e espirituosa Sarah Flanagan disse que muitas vezes campanhas podem ser feitas sem se tirar dinheiro do bolso. Sarah, do time de marketing da Sony, disse que uma vez em uma negociação de campanha na Alemanha tudo ficou bem mais fácil quando se propôs à influenciadora que a gravadora poderia leva-la para L.A pra encontrar pessoalmente Miley Cyrus. 

A gente nunca fala de dinheiro até sentirmos que realmente existe realmente um bom fit.
— Marni Wandner, presidente da empresa Sneak Attack Media

 

5- EXPECTATIVA  X RESULTADOS = TRANSPARÊNCIA

a) Não se pode garantir resultados, independente do valor investido na campanha.

b) Campanhas a curto prazo só visando explodir de uma hora para outra um determinado conteúdo podem ser bastante frustrantes.

c) Existe uma grande diferença entre forçar algo a ser viral e a viralização de fato.

b) Não se deve transformar esse tipo de ação em uma nova loteria dentro da indústria da música. 

 

* Em um segundo momento do painel o assunto foi A&R e como os influenciadores mudaram de maneira efetiva a estratégia das gravadoras na hora de contratar e promover um artista. Nesse momento, na minha opinião, veio uma frase que me soou como música, mas que normalmente causa revoltas em nossos artistas "super artísticos" que juram ainda viver nos anos 70, 80, 90... 

Estamos no business de ensinar artistas que seu maior talento é sua capacidade de construir uma audiência.
— Wadner, sobre que lições artistas poderiam aprender com influenciadores digitais. 

6- INFLUENCIADORES X CELEBRIDADES

a) Não confunda influenciadores com celebridades.  

b) Influenciadores sabem que seus únicos bens são sua reputação e credibilidade. 

 

* Hoje a moça que limpa a minha casa chegou revoltada porque um produto que um ator global anunciou na TV tinha o gosto ruim e na tal propaganda dizia que era uma delícia. Por mais que por aqui ainda se diga que o público é ignorante e que ninguém ligou que o Roberto Carlos era vegano e fez campanha de carne é pelo mesmo motivo que marcas buscam outros caminhos que resultem em vendas mas sem perder valor de marca. 

 

Por hoje é isso.

Um beijo enorme 

Clemente Magalhães