O que aconteceu na festa da música Tupiniquim?

 
Screen Shot 2018-12-08 at 20.53.49.png
 
 
 

Fala aí! 


O que que aconteceu na nossa música popular brasileira? Será que nossos artistas vivem em um planeta diferente?? Viramos uma reunião de condomínio cheia de velhinhas mal comidas reclamando do síndico??? 


Eles dizem que o Youtube não paga. Enquanto isso milhares de pessoas ficam milionárias com vídeos amadores na internet. 


Vejo alguns amigos nessa foto e tenho profunda vergonha… 


Talvez eles sintam saudades do passado, pois faziam parte da seleta turminha que tinham acesso às grandes gravadoras em um mercado EXCLUDENTE! Uns 100 artistas, no máximo, podiam usufruir de uma máquina de vender discos poderosa que tinha como principal ferramenta de marketing o suborno a radialistas, programadores e, num segundo momento, ao próprio veículo. Dormiam ricos e felizes sabendo que o espaço de um veículo de concessão pública, que deveria divulgar a arte de todos,  era comprado para repetir suas músicas insistentemente em empresas que por lei não poderiam vender suas programações para fins comerciais. 


Isso me lembra um poucos as senhoras ricas do Leblon que fizeram campanha para o metrô não chegar ao bairro por acreditarem que teriam que dividir suas calçadas com forasteiros de outras regiões menos abastadas. 


Como ser contra uma plataforma que deu voz a centenas de milhares de geradores de conteúdos???



Como ser contra uma plataforma que permitiu a qualquer ser humano ter um canal de TV??? 



Como ser contra uma plataforma que democratizou educação e informação, o que era impensável há vinte anos atrás???



Como ser contra uma ferramenta que possibilitou que novas cadeias produtivas, antes inexistentes, fossem criadas???



Como brigar com uma ferramenta de distribuição e marketing gratuita que viabiliza a um garoto de 7 anos fazer 22 milhões de dólares ANO abrindo caixinhas de brinquedos na internet com uma câmera amadora???



Como brigar com uma plataforma que viabilizou que Anas Vilelas e AnasVitórias surgissem do nada e atingissem multidões sem precisar do suporte de uma gravadora???



COMO BRIGAR COM UMA EMPRESA QUE RECENTEMENTE PAGOU 1.4 BILHÕES DE DÓLARES EM DIREITOS AUTORAIS EM UM BUSINESS QUE ELA MESMO INVENTOU??? 



AHHHHHH!!!

A PORRA DO VALUE GAP! 

Eles adoram falar do tal Value Gap

Você já escutou falar sobre isso? 

Vamos a definição desse conceito cretino que a indústria fonográfica adora repetir… 


Value Gap é o fenômeno que evidencia a discrepância entre o valor originalmente recolhido pelas plataformas e aquele distribuído aos titulares. O value gap afeta diretamente a indústria musical, uma vez que a monetização das contas oficiais e autorizadas nas plataformas de compartilhamento é algo recorrente no mercado atual, que deposita grandes investimentos e esforços na disponibilização de conteúdo protegido por direitos autorais em meios digitais. Um dos principais elementos que sustentam o value gap, inclusive na esfera global, é a existência dos mecanismos de legislação conhecidos como safe harbour, quais sejam as disposições previstas em lei que situam os provedores de aplicações de internet como verdadeiros “portos seguros”. Desse modo, plataformas de conteúdo musical disponibilizado por terceiros se amparam no instituto do safe harbour para obter a isenção de eventual responsabilização em razão de veiculação de conteúdo online gerado por seus usuários.



Vamos falar a verdade aqui...

Se existe um "value gap” é entre o nível de QI da nossa classe artística preguiçosa e essa criança de sete anos de idade! 

Faça me o favor!! 

Levanta a porra da bunda do trono e vai aprender a usar o Youtube direito.

Se quiserem ajuda estou aqui? Mas não aceito pacotes!


Até mais!

Beijos