Como tirar um sarro do Spotify e receber 20.000 dólares por isso?

 
 
 

Gravadoras estão aos poucos tirando um parte da grana do Jabá para colocar na mão de quem faz playlists no Spotify e em outras plataformas de Streaming. GÊNIOS! E chamam isso de Marketing. 

 

Enquanto isso... Lá do outro lado do mundo, pessoas pensantes buscam soluções criativas de como contar uma boa história. 

 

Em 2014, quando se soube que o Spotify pagava algo em torno de $0.005 por play, uma banda do Michigan, Vulfpeck, lançava um álbum de 10 faixas no Spotify. 

 

Até aí tudo bem, exceto que todas as tracks tinham entre 31 e 32 segundos e eram apenas silêncio. 

 

obs: 

Importante lembrar que o Spotify conta como play pelo menos 30 segundos. 

A Banda começou a pilhar seus fãs a tocarem as faixas em repeat, dizendo que os royalties recebidos pela ação seriam usados pra tour Sleepify com ingresso gratuito pra geral. A brincadeira acabou gerando algo em torno de 20.000 dólares pra banda antes que o Spotify tirasse as músicas do ar. 

 

Toda a imprensa especializada foi a loucura e a banda de forma espontânea conseguiu grande atenção para o lançamento que estava por vir. 

 

Quando o CD de fato foi lançado, em 2015, foi um grande sucesso. A banda conseguiu levantar mais de 55.000 dólares no Kickstarter e o disco recebeu centenas de milhares de plays no Spotify e foi ao programa de TV The Late Show. Tudo isso sem gravadora, selo ou empresário. 

 

Tudo pela força de um artista empreendedor, uma base engajada e uma idéia brilhante. 

 

Fazer os fãs se sentirem parte do processo de promoção de um álbum é sempre de uma força avassaladora. 

 

Por hoje é isso! 

Fui!